Uso de Algoritmos para Previsão da Crise

Por Luiz Gustavo – Aluno Tech – 2o semestre

Em 1929 e em 2008 aconteceram o que chamamos de “crash” na bolsa de valores de NY, gerando uma grande crise ao redor do mundo. Crises assim acontecem de modo inesperado e acaba impactando muita gente, levando, até mesmo, várias pessoas a se suicidar.

Pensando nisso, pesquisadores brasileiros do ITA e do Insper estão testando utilizar a fórmula de analisar terremotos para observar a movimentação da bolsa, afim de prever uma próxima crise e evitá-la.

Segundo Caetano, um dos pesquisadores, o método baseia-se em um algoritmo que rastreia pequenas variações de preços, que ocorrem de forma frequente, mas rapidamente. De acordo com ele, sempre que esses movimentos aconteciam, antigamente, havia uma grande movimentação na bolsa em um período curto de tempo como o que aconteceu na grande depressão.

O método criado, no entanto, é uma aplicação de um programa de estudos de abalo sísmicos. Nesse, há também um algoritmo que confere as “ondaletas”, que são usadas para medir as movimentações de placas tectônicas e, que, quando mais essas ondaletas variam, maiores a chances de ocorrer um terremoto.

As “ondaletas” no caso de Caetano, verifica as influências dos preços relacionados com ações e métodos do governo. Essas são processadas pelo algoritmo e levadas a gráficos de variações que, por sua, vez é mostrada na tela de um computador para os pesquisadores.

Fonte: https://www.infomoney.com.br/mercados/acoes-e-indices/amp/noticia/3373030