O caso EUA vs China

Por Samuel Galhanone, aluno Tech do segundo semestre

Donald Trump, essa semana, assinou um uma ordem que dava poder ao governo de proibir empresas de assinarem acordos e fazerem negócio com a Huawei, empresa chinesa. A tensão entre os dois países aumentou muito. Os EUA acusaram, em 2012, as empresas chinesas Huawei e ZTE, de praticarem espionagem, ao lado do governo chinês, contra outros países. Foi alegado que eles estavam espionando cidadãos de outros países. No mesmo ano, sob a presidência de Barack Obama, a Casa Branca emitiu um comunicado dizendo que não achou evidências de que as empresas da China deixavam brechas propositais em seus aparelhos para espionar as pessoas. Até a eleição de Donald Trump esse foi um argumento suficiente para acalmar a briga entre os dois países.

            Tudo mudou para pior quando, durante seu primeiro ano de mandato, Trump assumiu uma postura de afronta contra a China. Ele foi favorável a um projeto que dizia que companhias que tinham pelo menos 25% de participação chinesa não poderiam comprar empresas norte-americanas. Algumas taxas também foram impostas sobre produtos chineses. Em pouco tempo as acusações de espionagem voltaram à tona. 

No início essa acusação tinha com motivo principal as torres de celular chinesas instaladas nos Estados Unidos. Alegava-se que o governo chinês conseguiria acessar os sistemas norte-americanos por meio dessas torres. Além disso, os smartphones também foram incluídos nessa acusação e agentes do FBI e da CIA eram incentivados a não utilizarem aparelhos chineses. Esses celulares também encontraram resistência para entrar nas prateleiras do país americano. A Huawei sempre negou as acusações e afirmou que seus produtos eram usados normalmente em outros países do mundo e, somado a isso, o governo dos Estados Unidos nunca mostrou, publicamente, prova alguma das alegações que fazem. Apesar disso, países como Reino Unido e Austrália já acharam motivo suficiente para parar de utilizar produtos chineses, graças a posição do presidente Trump.

A tecnologia 5G começou a ser negociada por alguns países para ser usado em seus territórios. Mas o que isso tem a ver com a briga sobre espionagem? A Huawei é líder, se não a maior uma delas, do mercado do 5G. Com esse bloqueio gigante contra a empresa da China, o mercado do 5G deve demorar para ser bem implementado e aquecido.

A Google, a Qualcomm e a Intel também entraram na briga e se posicionaram no lado contrário à empresa chinesa. A Google, por exemplo, colocou um limite para a existência do Android em aparelhos da Huawei. Operadoras de celular no Japão (as três maiores) e no Reino Unido decidiram aderir ao bloqueio contra a Huawei e decidiram não fornecer planos de celular para aparelhos Huawei.

REFERÊNCIAS:

https://olhardigital.com.br/video/novas-operadoras-cortam-lacos-com-a-huawei/86074

https://canaltech.com.br/mercado/governo-dos-eua-pode-banir-mais-cinco-empresas-chinesas-nas-proximas-semanas-139865/

https://www.tecmundo.com.br/mercado/141634-entenda-briga-entre-eua-huawei.htm

https://logodownload.org/huawei-logo/